sábado, 18 de abril de 2009

Senhores empresários e gestores!

“Empresários e gestores submissos em relação ao poder político não são, geralmente, empresários e gestores com fibra competitiva e com espírito inovador. Preferem acantonar-se em áreas de negócio protegidas da concorrência, com resultado garantido”. E quem o disse foi Cavaco Silva, que por uma vez subscrevo, palavra a palavra.
Esta fibra competitiva, este espírito inovador, são factores culturais que nos são avessos, são desafios geracionais cujos resultados só se vêem a longo prazo, mas que é preciso enfrentar desde já. Nomeadamente junto dos mais novos!
É por isso mesmo que eu apoio o projecto Pular a Cerca II, que visa exactamente fomentar a criatividade e a inovação junto dos alunos da Escola do Cerco do Porto, e lá estarei em 28 de Abril, juntamente com outros colegas que partilham esta visão.

2 comentários:

Pular a Cerca II disse...

Muito obrigada, Professor Restivo.
Foi com muita satisfação que lemos as palavras que nos dirigiu.
Sublinhamos, contudo, que iniciativas como a que iremos promover só se concretizam com o contributo de pessoas e de instituições que partilham visões comuns e que pretendem intervir nas realidades. Deste modo, aproveitamos, para agradecer, mais uma vez, a sua participação e da sua equipa nestas Palestras Divertidas.

Um abraço

Márcia Andrade, Projecto Pular a Cerca (II)

joalcane disse...

Olá, estou plenamente de acordo. Mas mais que a submissão ao poder politico, é o libertar da iniciativa de cada um. Em geral a iniciativa surge, ou (re)aparece em momentos de crise, ou quando temos que de qualquer forma, encontrar respostas aos problemas do quotidiano. Assim, sugiro aos poderes (todos eles) que nestas horas de incerteza e mudança, se agilizem os mecanismos para criar e manter empresas. Quais? Essa é a resposta que o engenho humano sabe dar. Qualquer coisas se pode proporcionar a criação de uma actividade de empresa. Já agora, sigam (aos decisores) a sugestão da Europa de NÂO TAXAR empresas cujo volume de negócios seja menor ou igual a um certo montante. Presumo que os valores de referencia seriam da ordem dos 100.000 euros/ano.
E deixam as ideias frutificar, sem impedimentos e bloqueios ("trombos") administrativos!

Um abraço

JACN