quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Já nada é como dantes!

Lá se foi o dogma! O teorema da amostragem de Shannon, a frequência de Nyquist, tudo aquilo em que acreditamos durante tanto tempo (eu já explico) afinal não serão verdades absolutas. Vem um tal Emmanuel Candès, e estraga tudo!
A ideia de que para ser representado sem erro um sinal deve ser amostrado a uma frequência pelo menos dupla da sua frequência máxima foi posta em causa. E realmente convenhamos: a que propósito nos esforçamos para amostrar um sinal de áudio a 44100 amostras por segundo, o que origina que, por exemplo, uma faixa de música de 3 minutos, 2 canais, 16 bits por amostra, ocupe qualquer coisa como 180x2x44100x2 bytes, ou seja, uns 32 MB, para depois deitarmos fora 90% dessa informação e ficarmos com um ficheiro mp3 de 3 MB com a mesma qualidade musical?
Aparentemente, estavamos a jogar demasiado pelo seguro: a habilidade consiste em fazer o mesmo usando menos dados, desperdiçando menos. Óbvio!
É este o problema de hoje. Menos força bruta e mais inteligência! Conhecimento. Estava-se mesmo a ver, não é?

1 comentário:

F Restivo disse...

Um comentário: isto é um pouco como aquela história do teria feito mais, se me tivessem dado todos os meios... com todo os meios, qualquer um faz! A habilidade consiste em fazer sem dispor de todos os meios, não é?